GERARDO SUTER (ARG/MEX)
// Caja Negra, 2017, 8´30´´

Caixa Negra tem a sua origem num vídeo colocado online por um caçador de migrantes anónimo, o qual afirma tratar-se de um dos seus melhores registros, pela qualidade e duração, captado com uma câmara térmica. Trata-se de um plano sequência, o título Caixa Negra recupera o nome original da peça sonora realizada pelo compositor Antonio Russek, e relaciona esta captura noctura com a ideia de memória física guardada na caixa negra de qualquer meio de transporte actual e a que se acede regulamente no caso de um acidente. Esta obra trata da problemática dos deslocados, dos imigrantes, dos indocumentados, dos clandestinos a partir do uso de arquivos da internet, o que pode implicar ser estrangeiro a tentar movimentar-se por territórios hostis.

Gerardo Suter | Argentina, México

Gerardo Suter (1957) é Doutorado pela Universidade Politécnica de Valencia. Actualmente coordena o Corpo Académico Investigação Visual Contemporânea da Facultade de Artes da Universidade Autónoma do Estado de Morelos (UAEM) e é responsável pela colecção CUADERNOS HÍBRIDOS, publicações que dão conta do trabalho de investigação que está por detrás da obra de diferentes artistas contemporâneos. Inicia o seu trabalho criativo em 1976 no campo da fotografia e desde 1990 o seu interesse centra-se em desenvolver projectos para sítios específicos, vinculando a imagem fotografica de grande formato a outros meios, como a imagem cinematográfica, o som ou o texto, e utilizando a arquitectura como suporte final da obra. Em 2010 cunhou o termo imagem expandida, para articular desde aí as suas conStruções narrativas e para tratar a própria prática artística desde a reflexão teórica.