BARBARA WAGNER e
BENJAMIN DE BURCA (BR)
// Faz Que Vai, 2015, 12’


Tomando o nome de um passo de Frevo que simula um momento de instabilidade, Faz Que Vai retrata quatro bailarinos nos seus modos de articular uma forma de tradição popular em questões sócio-económicas e de género. Como uma série de anotações sobre a relação entre corpo, câmara e movimento no registo de uma dança típica do Nordeste do Brasil, Faz Que Vai comenta o sentido do carnavalesco presente em diversas estratégias de preservação do Frevo como imagem, património e produto.

Bárbara Wagner | Brasil

Bárbara Wagner (1980) centra sua prática em fotografia no ‘corpo popular’ e suas estratégias de subversão e visibilidade entre os campos da cultura pop e da tradição. Publicadas em livros editados pela artista desde 2007, suas obras tem sido exibidas em exposições individuais e coletivas nacional e internacionalmente e fazem parte das coleções permanentes do MASP e MAM em São Paulo. Uma monografia com uma extensa seleção de suas fotografias foi publicada em “O que é bonito é pra se ver” (Het Domein 2009). Desde 2011, trabalha em colaboração com o artista Benjamin de Burca (Munique, 1975), com quem participou do 33º Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, Brasil), da 4ª Bienal do Oceano Índico (La Réunion, França), da 36ª EVA International (Limerick, Irlanda), da 5ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça e da 32ª Bienal de São Paulo (São Paulo, Brasil). Mestra em Artes visuais pelo Dutch Art Institute (2011), vive e trabalha em Recife, Brasil.